segunda-feira, março 22, 2010

DOENÇA CRÍTICA EM GESTANTES E PUÉRPERAS DEVIDO A INFLUENZA H1N1

CRITICAL ILLNESS DUE TO 2009 A/H1N1 INFLUENZA IN PREGNANT AND POSTPARTUM WOMEN: POPULATION BASED COHORT STUDY

The ANZIC Influenza Investigators and Australasian Maternity Outcomes Surveillance System

BMJ 2010; 340:c1279.

Neste estudo, os autores descrevem a epidemiologia de influenza H1N1 em gestantes e puérperas admitidas em unidades de terapia intensiva da Austrália e Nova Zelândia entre 01 de junho e 31 de agosto de 2009. Comparado com mulheres não-grávidas, a chande de internação em CTI devido ao H1N1 era 7x maior em gestantes e puérperas. Considerando mulheres com idade gestacional > 20 semanas, a chance era 13x maior. Das mulheres internadas, 69% necessitaram de ventilação mecânica e destas, 14% foram tratadas com ventilação extracorpórea. A mortalidade foi de 11%. Dos bebês nascidos vivos, 39% eram prematuros e 57% foram admitidos no CTI neonatal. Dos bebês testados, 10% foram positivos para H1N1.

Cássia Righy