quinta-feira, novembro 11, 2010

CONSTIPAÇÃO E VENTILAÇÃO MECÂNICA DENTRO DA TERAPIA INTENSIVA.

CONSTIPATION IN LONG-TERM VENTILATED PATIENTS: ASSOCIATED FACTORS AND IMPACT ON INTENSIVE CARE UNIT OUTCOMES
Arnaud Gacouin, Christophe Camus et.al Crit Care Med 2010 Vol 38 Nº10
Muitas alterações gastro-intestinal têm sido descritas nos pacientes submetidos à ventilação mecânica tais como esofagite erosiva e/ou gastrite por stress. Porém, uma das alterações mais negligenciada é a constipação intestinal. Na verdade muitas são as causas que levam o doente a constipação dentro da terapia intensiva (hipotensão, drogas vasoativas, imobilidade, o uso de morfina ou seus derivados entre outros). Neste estudo coorte realizado na França foi identificado as causas relacionada à constipação nos doentes sob ventilação mecânica. Os principais critérios de inclusão foram doentes maiores de 18 anos com mais de 6 dias de ventilação mecânica que foram intubados até 24h antes ou 48h após a admissão. Os doentes foram classificados em 2 grupo: aqueles que defecação nos primeiros 6 dias (grupo precoce) e aqueles que defecaram após esta data (grupo tardio). Os resultados demonstraram que PaO2/FiO2 <150mmHg (p=0,073), pressão arterial sistólica entre 70-89mmHg (p=0,002) e pressão arterial < 69mmHg (p=0,03) estão associados independentemente ao grupo tardio. Neste grupo foi maior o tempo de internação, a duração da ventilação mecânica, o uso de cateter vascular e as taxas de mortalidade. A proporção de casos de infecções também foram maiores no grupo tardio. Os autores levantam a hipótese de que os constipados tardios estão mais associados à hipoxemia e hipotensão do que os tratamentos destas condições.
Marcelo Grandi