terça-feira, agosto 05, 2014

ÉBOLA

Febre Hemorrágica Ebola é a doença  provocada pelos vírus da Ébola. Os sintomas têm início duas a três semanas após a infecção, e manifestam-se através de febre, dores musculares, dores de garganta e cefaléia. A estes sintomas sucedem-se náuseas, vómitos e diarreia que podem evoluir para e insuficiência hepáticarenal e coagulopatia. 

A disseminação da doença ocorre quando uma pessoa entra em contacto com o sangue ou fluidos corporais de um animal infectado, como os macacos ou morcegos.   Após a infecção, a doença é transmissível de pessoa para pessoa, inclusive através do contacto com pessoas mortas em decorrência do vírus. Os homens que sobrevivem à doença continuam a ser capazes de  transmitir por via sexual durante cerca de dois meses. O diagnóstico tem geralmente início com a exclusão de outras doenças com sintomas semelhantes, como a malária, cólera ou outras febres hemorrágicas virais. Para a confirmação do diagnóstico inicial, o sangue é posteriormente analisado para detetar a presença de anticorpos do vírus, do DNA viral ou do próprio vírus.

A prevenção é feita através de medidas que diminuem o risco de propagação da doença entre animais infectados e os seres humanos. Isto pode ser conseguido através do rastreio destes animais e, no caso de ser detectada a doença, matando e eliminando de forma apropriada os corpos. Deve-se também cozinhar a carne de forma adequada e é recomendado usar vestuário de proteção quando se manuseia carne. Na proximidade de uma pessoa infetada é recomendado que se lavem as mãos e que seja também usado vestuário de proteção.

Não existe tratamento específico para o vírus. O tratamento envolve a administração de terapia de reidratação oral ou intravenosa. A doença tem uma taxa de mortalidade extremamente elevada – até cerca de 90%. Geralmente ocorre durante surtos em regiões tropicais da África subsariana. Entre 1976, o ano em que foi pela primeira vez identificada, e 2014, o número de casos registados em cada ano foi sempre inferior a 1000.  A doença foi identificada pela primeira vez no Sudão e na República Democrática do Congo.
 

Texto baseada na Wikipédia.

Flávio E. Nácul