quarta-feira, outubro 09, 2019

Farmacêuticos: além de bem-vindos, necessários na UTI !

Farmacêuticos: além de bem-vindos, necessários na UTI !
  • Impact of Quality Bundle Enforcement by a Critical Care Pharmacist on Patient Outcome and Costs - Leguelinel-Blache et al, CCM 2018; 46:199.
  • Impact on Patient Outcomes of Pharmacist Participation in Multidisciplinary Critical Care Teams: A Systematic Review and Meta-Analysis - Heeyoung Lee et al, CCM 2019;47:1243.
  • Improving care for critically ill patients with community-acquired pneumonia - Monica Bianchini et al, 2019;76:861.

A participação do farmacêutico no time multidisciplinar da UTI já é realidade em alguns hospitais, mas enfrentam dificuldade por falta de recursos humanos (faltam profissionais) ou financeiros (sem orçamento para contratar). O farmacêutico pode ajudar muito em reduzir eventos adversos relacionados a medicações (cerca de 45 mil mortes nos hospitais por ano), e garante a segurança pro paciente internado.

Separei 3 artigos recentes para comentar:

1. Legueline-Blache e colaboradores (2018) realizaram estudo antes/depois sobre mortalidade, tempo de permanência e custos da ação do farmacêutico em 2 UTIs francesas. O número de pacientes foi expressivo - 1.164. A intervenção foi baseada em aconselhamento amplo relacionado a medicações: doses e tempo de sedativos, antibióticos, itens do pacote de prevenção de pneumonia associada a VM e manutenção de cateteres venosos e vesicais. Houve redução significativa do tempo de hospitalização (menos 3,7 dias), menos tempo de ventilação e de UTI e redução de custos agregados (menos 2.500 dólares por internação). Não houve diferença de mortalidade durante períodos antes e depois.

2. Lee e colaboradores fizeram revisão sistemática que visou verificar efeitos da atuação do farmacêutico em desfechos relevantes na UTI, como eventos adversos, tempo de permanência e mortalidade. A análise final foi com 14 estudos. Todos foram estudos observacionais, exceto Claus et al (2014). A mortalidade observada foi cerca de 20% menor no grupo de UTIs com farmacêutico atuante (odds 0.78), com pouca heterogeneidade entre os estudos. De maneira surpreendente, o tempo de permanência na UTI também foi reduzida em 1,1 dia, principalmente em UTIs mistas (o efeito foi menor em UTIs clínicas "puras"). E eventos adversos, tanto preveníveis quanto não-preveníveis, também foram muito reduzidos (odds 0.26 e 0.47, respectivamente). Este último resultado é o mais deduzível, até pela atuação na revisão de prescrições e possíveis interações medicamentosas, além de análise de doses e posologia. Por incrível que pareça, não houve heterogeneidade significativa entre os estudos para estes desfechos, exceto tempo de UTI. Isto aponta para maior confiança nos resultados da revisão.



3. Bianchini e colaboradores estudaram o efeito do acompanhamento do farmacêutico clínico um 1 UTI clínica, analisando pacientes internados por pneumonia comunitária grave. Foi um estudo antes/depois, comparando 5 meses do inverno de 2016 versus o mesmo período de 2017. O farmacêutico tinha um pacote de avaliações que consistiam em:
- acesso a resultados de exames microbiológicos comuns;
- teste para influenza (PCR);
- painel viral respiratório;
- antígeno urinário para Legionella pneumophila;
- procalcitonina (PCT) sérica.
O objetivo principal foi analisar o tempo de antibioticoterapia; secundariamente descalonamento, tempo de hospitalização, re-tratamento da pneumonia, reinternação na UTI, disfunção renal aguda; e infecção por Clostridioides sp.
Numa população inicial de 387 pacientes, separou-se 91 pares para comparação de desfechos. Muitos pacientes (50%-60%) recebeu empiricamente glicopeptídeos e agentes anti-Pseudomonas (como cefepime e pip-tazo), o que não é comum por aqui no Brasil. O tempo de tratamento foi semelhante (~7 dias). O descalonamento foi muito mais comum com ação do farmacêutico. O restante de desfechos não foi diferente: mortalidade hospitalar (14% vs 8%), reinternação 30 dias (18% vs 14%) e re-tratamento (15% vs 12%). Por fim, a identificação de causa etiológica da pneumonia foi maior no grupo após intervenção (51% vs 34%, p=0.03).

André Japiassú

segunda-feira, agosto 12, 2019

Áudio (Soundcloud): Unidade Step-up em Emergência - qual é o impacto em mortalidade e admissões em UTI ?

"Association of an Emergency Department–Based Intensive Care Unit
With Survival and Inpatient Intensive Care Unit Admissions". Gunnerson et al, JAMA Network Open 2019; 2(7):e197584.

Comentário em:
https://soundcloud.com/andre-japiassu/sets/artigos-comentados-em-med

domingo, agosto 04, 2019

CAMI EM SP NOS DIAS 23 E 24 DE AGOSTO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA INTENSIVA DA AMIB (CAMI)

Dias 23 e 24 de agosto de 2019

Professores: José Paulo Ladeira (SP), Leandro Taniguchi (SP) e Flávio Nácul (RJ)

Local: sede da AMIB em São Paulo - SP

sexta-feira, julho 19, 2019

O QUE É NOMI?

NOMI significa non-occlusive mesenteric ischemia e ocorre quando um paciente crítico em choque circulatório recebendo doses elevadas de aminas vasopressoras recebe nutrição enteral e desenvolve isquemia mesentérica secundária ao aumento do consumo mesentérico de oxigênio.

Flávio E. Nácul

domingo, abril 14, 2019

VITAMINA C NO PACIENTE CRÍTICO

Potente antioxidante

Cofator da síntese de colágeno e catecolaminas

Aumenta a sensibilidade dos receptores de corticoides e de catecolaminas

Protege o endotélio

sábado, março 09, 2019

338 SEGUIDORES

O nosso blog tem no momento 338 seguidores.

Flávio Nácul

EFEITO DUNNING-KRUGER

O efeito Dunning-Kruger é o fenômeno pelo qual indivíduos que possuem pouco conhecimento sobre um assunto acreditam saber mais que outros melhores preparados, fazendo com que tomem decisões erradas. Estas pessoas sofrem de superioridade ilusória.

Flávio Nácul

quarta-feira, setembro 12, 2018

HIPOGLICEMIA

Mecanismos de defesa:

glicemia < 80 mg/dl = = inibição da produção de insulina

glicemia < 70 mg/dl = secreção de glucagon e adrenalina

Manifestações clínicas:

glicemia < 60 mg/dl = sintomas autonômicos (taquicardia, tremor, sudorese, náuseas)

glicemia < 50 mg/dl = sintomas neuroglicopênicos (confusão mental, convulsão)


Flávio E. Nácul

segunda-feira, setembro 10, 2018

domingo, setembro 09, 2018

QUAL A MEIA-VIDA DO LACTATO?

Em pessoas normais após exercício físico = 1 hora

Após choque circulatório = 18 horas

Flávio E. Nácul